– INSIDERS – trás a cada semana um convidado diferente, mostrando o lado pouco conhecido das cidades onde vivem ou visitam.-

Quem anda pelo centro de Hamburgo, inevitavelmente passa pelas ruas Spitalerstraße e Mönckebergstraße. As duas ruas concentram diversas lojas, cafés e escritórios, e são os principais canais de ligação entre a Prefeitura e a estação central de Hamburgo.

Porém, em meio a tantas vitrines e distrações, existe um prédio em especial que por vezes passa despercebido para os mais apressados, apesar da bela escultura de um centauro de bronze que marca sua entrada principal. É a Levantehaus, minha dica insider de Hamburgo.

A galeria é um oásis de silêncio e lojinhas tranquilas, perfeita para quem busca produtos de mais qualidade ou apenas uma pausa para um café em algum lugar fora do circuito turístico. Aqui você encontrará, por exemplo, desde marcas mais conceituais a lojas de presentes, decoração e sapatarias artesanais.

levantehaus

A Levantehaus foi construída em 1912 pelo arquitetos Franz Bach e Carl Bensel. À época, chamava-se Hubertushof e servia de escritório para a empresa de navegação Deutsche Levante-Linie. Assim como muitos prédios comerciais em Hamburgo, o prédio foi então rebatizado pelo nome da empresa que ali atuava. Daí o nome Levantehaus.

Detalhes para os mais observadores

Ao entrar na Levantehaus, os lampiões mais antigos e a calmaria do lugar já criam um clima muito diferente da correria lá fora. No interior, as esculturas de animais em extinção feitas por Barry Baldwin chamam a atenção para o teto e ao observá-las mais de perto, percebe-se uma clareira no centro do pátio. Olhe para o alto, pois lá em cima está o colorido vitral do sétimo andar, inspirado em mitos sobre a criação da vida. A obra é da artista Ada Isensee.

Os elevadores no térreo também são curiosos: de um lado, você pode ver como funcionava um elevador paternosterdo outro, um elevador atual, em vidro, cujas paredes externas retratam cenas do passado e hoje, como uma breve viagem no tempo.

Atualmente, os descendentes de Franz Bach ainda administram o prédio. Foi deles a ideia de reestrututrar o interior do prédio na década de 90 e de instalar lojas locais e/ou exclusivas, como uma alternativa às lojas de rede da rua Mönckebergstrasse. A partir do terceiro andar, a galeria dá lugar ao hotel Park Hyatt.

Enfim, eu poderia dizer que Hamburgo por si só é uma dica de insider para quem vem à Alemanha, pois mesmo com todos seus atrativos, ainda é desconhecida da maioria dos viajantes de fora do país. Mas agora que você já tem uma dica ainda mais local, já sabe o que fazer – e admirar –  quando vier a Hamburgo.

Levantehaus

Mönckebergstraße 7

Hamburg 20095

Horário: de segunda a sábado, de 10h às 19h (lojas). A galeria fica aberta 24h.

Rafaella Vilafranca

Sou carioca e moro na Alemanha desde 2010. Sou guia em Hamburgo e região e também escrevo os blogs Viagem Hamburgo e Maria de Lux. Instagram: @viagemhamburgo . Facebook: Viagem Hamburgo

Fontes: visita guiada à Levantehaus e livro “Levantehaus: Tradition und Moderne“ (Michael Seufert, Ed. Hoffmann und Campe)

Follow:

Visitamos algumas vinícolas no Chile na região do Valle de Colchagua mais precisamente na cidade de Santa Cruz.

Um final de semana na região é perfeito para descansar após uma semana no deserto do Atacama. Foi o que fizemos antes de voltar para São Paulo.

Saímos de Santiago numa sexta feira pela manhã e em 2:30 aproximadamente estávamos na região do vale.

vinícolas no chile

Viu Manent

Nossa primeira parada na sexta feira foi para um almoço seguido de passeio pela Viu Manent. O restaurante é excelente e além dele tem também um café super charmoso para finalizar a visita. O passeio é feito em charretes pela propriedade e a degustação acontece num ambiente maravilhoso.

A loja com produtos da região foi a mais completa e com a melhor seleção de produtos que vi. A visita e restaurante devem ser reservados com antecedência.

Santa Cruz

No sábado pela manhã visitamos a Viña Santa Cruz é uma opção bem legal para quem está com crianças. Tem um teleférico que nos leva ao museu à céu aberto simulando as aldeias dos povos Mapuche, Aymara e Rapa Nui.

E um museu de automóveis antigos que faz bastante sucesso. Além obviamente do passeio pelos campos de cultivo muito vastos e degustação de vinhos ao final. Na Santa Cruz tem apenas um pequeno café então se programem para almoçar em outra viña. A visita deve ser agendada.

Viña Montes

O almoço e passeio da tarde foi na Viña Montes bem conhecida pelos brasileiros pelos seus vinhos Montes Alpha é lindíssima. A construção toda contemporânea com salas de degustação envidraçadas com vista para as colinas, espelhos d’água ao redor do prédio e a sala das barricas no subsolo mais impressionante que vi. Aqui também lembrem-se de agendar a visita.

Quando fomos estava bem vazia e acabamos fazendo o passeio e degustação exclusivos, foi ótimo. O restaurante é bom mas nada extraordinário, uma pena porque a Viña Montes tem vinhos ótimos e merece um bom restaurante, indico focar nas tábuas de frios e queijos.

Hotel Terra Viña e Restaurante Vino Bello

Nos hospedamos no Hotel Terra Viña ele é rodeado por parreirais, hotel simples e rústico mas extremante confortável. Tem uma piscina bem gostosa para aproveitar o fim do dia petiscando e bebendo vinhos. Quartos bem espaçosos, banheiros confortáveis e café da manhã simples mas bem completo.Jantamos os dois dias no Restaurante Vino Bello que fica a poucos metros do hotel e o acesso é pelo meio das parreiras. O hotel fornece lanternas para a caminhada noturna, o pôr do sol no verão é por volta das 9:30 da noite e aproveita-lo apreciando a vista das mesas externas do restaurante é a pedida.

Claro que existem muitas outras vinícolas na região mas nem todas aceitam crianças em seus passeios então verifiquem antes, essas que selecionei funcionaram muito bem para nós, os passeios agradaram todos.

No domingo tomamos um café da manhã tardio e voltamos para Santiago, nosso voo para São Paulo sairia na segunda feira bem cedo.

 

 

Follow: