Bauhaus em Dessau e Berlim 

Visitar a Bauhaus em Dessau e Berlim foi a realização de um sonho. Mas primeiro vem descobrir comigo o que foi a Bauhaus e qual a sua importância até os nossos dias.

Com certeza você já viu alguns desses móveis sendo vendidos em grandes redes de lojas de móveis. Eles foram pensados e desenhados pela Bauhaus. Além de uma centena de objetos como luminárias, talheres, jogos de pratos, xícaras enfim tudo o que usamos em nossa vida cotidiana tem um dedo da Bauhaus. Foram eles os grandes pensadores do novo design de objeto, pensado para ser produzido em escala industrial. Com qualidades de forma e função e podendo serem usados do trabalhador braçal até as camadas mais ricas da sociedade igualmente.

Na arquitetura uma nova forma de morar estava sendo pensada, soluções de projetos mais racionais, métodos construtivos mais rápidos e acessíveis. Tudo isso para atender a nova demanda que a vida moderna exigia.

bauhaus em dessau e berlim

O que é Bauhaus?

Bauhaus foi uma escola de arquitetura, artes e ofícios, fundada em 1919, após a 1a. Guerra Mundial na cidade de Weimar na Alemanha. Nesse período a República de Weimar designação histórica da Alemanha no período entre guerras buscava modernizar e desenvolver sua produção industrial para se equiparar ao desenvolvimento industrial da Inglaterra. A Bauhaus manteve suas atividades até 1933 tendo sido fechada pelo regime nazista pouco antes do início da 2a. Guerra Mundial. Durante seus quatorze anos de existência a Bauhaus passou por três cidades, Weimar, Dessau e Berlim.

Walter Gropius, arquiteto, fundador e primeiro diretor da Bauhaus, organizou a escola convidando artistas das mais variadas áreas para compor o corpo docente. Pintores, tecelões, arquitetos, escultores, escritores, estilistas, artesões e designers tinham a missão de criar a nova era do pensamento criativo, o que hoje chamamos de Modernismo.

Gropius dizia que o bom desenho (ou design), poderia reestruturar a sociedade alemã de maneira democrática. A famosa afirmação dele que “a forma segue a função” traria esse resultado. Na escola os alunos eram estimulados a experimentar as mais diversas vertentes das artes, do pensamento criativo e se despir das amarras sociais para só assim criar um pensamento livre e realmente novo.

Bauhaus em Dessau

Em 1925 a Bauhaus muda para a cidade de Dessau, região com um polo industrial grande e na época carente de moradia e institutos de pesquisa. É em Dessau que hoje podemos visitar os edifícios da escola. Um complexo de prédios de ateliês, auditório e moradia estudantil. É emocionante visitar esses edifícios onde o pensamento criativo foi tão profundamente estimulado.

Após visitarmos o complexo seguimos a pé, 30 minutos de caminhada, para a vila de casas destinadas aos mestres projetadas por Walter Gropius em 1926. 

Vila dos Mestres

Essas residências foram o resultado dos estudos para uma nova forma de morar, menos rebuscada e mais prática como os tempos modernos exigiam. As casas foram restauradas e algumas completamente reconstruídas como é a caso da Haus Gropius, destruída durante a guerra.

As casas de Walter Gropius e László Moholy-Nagy foram inteiramente mobiliadas com peças desenhadas por Marcel Breuer. Podemos ver alguns desses móveis em exposição. Todas as casas foram equipadas com os eletrodomésticos mais modernos da época. As cores internas das residências foram desenvolvidas por Paul Klee e Kandinsky seguindo os conceitos de seus trabalhos.

Passear por essas casas e imaginar artistas incríveis vivendo e produzindo ali foi incrível. Sentir um pouco de como todo pensamento moderno da arquitetura começou, perceber como até hoje a nossa forma de morar está relacionada ao que essa escola criou foi incrível. Outros moradores famosos da vila são: László Moholy-Nagy, Lyonel Feininger, Georg Muche, Oskar Schlemmer, Wassily Kandinsky and Paul Klee, com suas famílias.

Bauhaus em Berlim

Em 1932 a Bauhaus deixa Dessau e é transferida para uma fábrica desativada em Berlim. Após apenas um ano em abril de 1933 a Bauhaus é encerrada pela Gestapo. O prédio atual de Berlim, projeto de Walter Gropius foi inaugurado em 1979 para abrigar exposições e o acervo original da escola. 

Com previsão de inauguração para 2022 está em obras um novo edifício anexo ao prédio original, ele irá abrigar os novos espaços expositivos.

Aqui duas dicas de livros para quem quiser se aprofundar mais no assunto. O da Magdalena Droste é excelente, muito bem ilustrado e traça um panorama ótimo do que foi a Bauhaus. O de José Olympio foca em detalhes sobre Walter Gropius.

Bauhaus 1919 1933 de Magdalena Droste ou Walter Gropius e a Bauhaus de José Olympio

Aqui algumas frases famosas de Mies Van der Rohe, diretor da Bauhaus de 1930 até seu fechamento em 1933, que eu adoro.

Ser bom é melhor que ser original.

Menos é mais.

A arquitetura é a vontade de uma época traduzida em espaço.

Negamo-nos a reconhecer os problemas da forma, só aceitamos os problemas da construção. A forma não é o objetivo do nosso trabalho, mas apenas o seu resultado. A forma não existe por si mesma.

Como visitar

Dessau

De trem 1:30h de duração partindo da Berlin Hauptbahnhof (estação central). Comprei um bilhete que dava permissão para até 5 passageiros, ida e volta, com horário flexível por cerca de 32 euros. Os trens partem de hora em hora tanto de Berlim quanto de Dessau. Esse bilhete múltiplo saía mais barato do que duas passagens avulsas ida e volta. É só se dirigir aos guichês de atendimento e solicitar. Todos os atendentes falam inglês.

Bauhaus Dessau os tickets de visita podem ser adquiridos com antecedência no site da Bauhaus, existem vários tours guiados. Eu fiz a visita sem guia mas indico o passeio guiado para quem não é familiarizado com arquitetura. Eu comprei o tíquete que dava direito a visitar todos os prédios e casas dos professores.

Para quem quiser pernoitar em Dessau pode reservar um dos quartos disponíveis no antigo prédio de moradia dos estudantes. Pretendo fazer isso da próxima vez para poder conhecer as outras construções da Bauhaus na cidade.

Dentro do prédio principal tem um café com opções de sanduíches e saladas, foi nele que almocei. A outra opção é o Bauhaus Canteen, restaurante instalado no antigo refeitório dos alunos situado atrás do palco do anfiteatro.

Berlim

Bauhaus Archiv Museum Importante acessar o site para programar sua visita, atualmente o edifício está em reforma e reabrirá em 2019 por ocasião do centenário da Bauhaus.

Aproveite para ler o post com minha lista de restaurantes em Berlim.

RESTAURANTES EM BERLIM, COMER GASTANDO POUCO

Bauhaus em Dessau e Berlim Bauhaus em Dessau e Berlim Bauhaus em Dessau e Berlim Bauhaus em Dessau e Berlim Bauhaus em Dessau e Berlim 

Follow:

Chicago, onde comer, visitar e se hospedar. Essa é a primeira vez que faço um post assim geral de uma cidade. Tinha um documento aqui guardado para enviar para os amigos que sempre me pediam dicas de Chicago então resolvi dar uma revisada e publicar inteiro, assim de supetão num único post. Se vocês gostarem desse formato deixem comentários aqui no post, vou amar saber a opinião de vocês.

Melhor época para conhecer Chicago.

Os meses que indico para visitar a cidade são de meados de Abril até meados de Outubro, evitando assim os meses de inverno rigoroso e em Chicago ele é muito rigoroso mesmo com muita neve e temperaturas por volta dos -30 graus. Setembro é um bom mês, com temperaturas entre 18 e 22 graus.

Chicago também chamada de Windy City, fica às margens do lindo e enorme Lago Michigan no estado de Illinois. Famosa pelo Blues, brigas entre gângsters e deep dish pizza é umas das cidades mais modernas dos Estados Unidos. Parques, museus, arquitetura, excelentes restaurantes e lojas ótimas fazem dela um excelente destino turístico.

 

Chicago, onde comer.

  • Girl & The Goat, badaladinho é legal ficar tomando drinks no bar enquanto espera mesa. Na mesma rua dele tem vários outros points legais de Chicago. O esquema é pedir várias porções para dividir. Comida e drinks ótimos.

  • Ralph Lauren Bar and Grill, lindo e chique! Pra almoçar por um preço bom, acredite se quiser, fica na Chicago Ave. A comida é ótima e as porções grandes. Não fiz reserva nenhuma das duas vezes que fui e tive sorte de conseguir uma mesa bem rápido. Pertinho dele, de frente para a praça da Old Watertower tem um loja incrível dos chocolates Hershey’s e outra dos chocolates Ghirardelli.

  • The Purple Pig, delicioso, bem descontraído e com decoração lindinha. Sempre tem uma fila de espera, mas vale à pena. Os pratos são porções para dividir também. Fica na Michigan Ave bem ótima opção para quando estiver passeando pela região.

  • Chicago Athletic Association Hotel pra café da manhã delicioso ou um drink no roof top com vista pro parque. Vale a visita para ver a decoração incrível do hotel, a temática é o esporte.

  • The Original Pancake House, lugar super tradicional e barato, como o próprio nome diz, uma casa de panquecas com muito bacon, maple syrup e ovos mexidos, café da manhã típico americano. Uma casinha antiga, no meio de Gold Coast. Aproveite para passear pela região cheia de lojas incríveis de luxo.

Chicago - Onde comer, visitar e se hospedar

  • Firecakes Donuts, micro lojinha de donuts de comer ajoelhado no milho chorando. Dezenas de sabores, feitos diariamente. O cappuccino também é ótimo.

  • Pizza Uno, para comer a tradicional deep-dish pizza, o Ale não gostou eu gostei, então nessa você decide 😉 É uma pizza que mais parece uma torta com muito molho de tomate bem denso e muito, muito queijo. Ahhh o molho fica por cima do queijo!

 

Chicago, o que visitar, tours e museus

  • Frank Lloyd Wright tour. Passeio de quase o dia inteiro dependendo do tour que você escolher. Escrevi um post completo sobre ele aqui: Tour Frank Lloyd Wright em Chicago. Outra opção é  fazer apenas o tour da Home & Studio e depois pegar um mapa que eles fornecem e passear a pé por Oak Park passando na frente das outras casas, a casa dele é a única aberta ao público no bairro.

  • Tour de Arquitetura pelo Chicago River é um dos passeios imperdíveis para quem gosta de saber a história da cidade e seus edifícios. Os tickets devem ser comprados com antecedência no site Chicago Architecture Center

Chicago - Onde comer, visitar e se hospedar

  • Fui no Driehaus Museum que é a antiga mansão de Samuel e Matilda Nickerson, ele foi o responsável pela fundação do Art Institute. Matilda foi presidente do Antiquarian Society of the Art Institute que tinha como missão apoiar as artistas e artesãs mulheres. A casa por si só é maravilhosa e o passeio é rápido, em torno de uma hora. Gostei muito de conhecer a casa e um pouco mais da história de Chicago e alguns personagens importantes.

  • Art Institute Chicago, um dos melhores museus que já visitei, além do acervo incrível o edifício anexo projetado pelo arquiteto Renzo Piano é magnifico.

Região da Magnificent Mile e além.

  • Andar pela região da Magnificent Mile, com lojas lindas, bons restaurantes e cafés.
  • Navy Pier tem uma vista super bonita de Chicago, a praça de alimentação não gostei mas a vista do skyline da cidade à partir do píer é linda e vale à pena.
  • John Hancock Observatory o percurso de entrada conta a história da cidade de Chicago, é bem legal e a compra do ticket na hora, foi super tranquila, tem um pequeno shopping nos primeiros andares do prédio, muito bom.
  • Para os amantes da arquitetura, continuando subindo a Michigan Ave vc chegará no 1100 N Lake Shore Building e vai chorar nesse projeto do Mies Van Der Rohe. Continuando a caminhada para esquerda você estará na parte mais antiga de Chicago, lojas de luxo e town houses fofas, o bairro se chama . A Oak Street é a principal. O Pancake House fica aqui perto numa casinha super antiga e fofa.

Millenium Park e Loop

  • Passear pelo Millenium Park para ver a escultura Cloud Gate de Anish Kapoor, o Jay Pritzker Pavilion projetado por Frank Gehry e a Crown Fountain. O Art Institute Chicago  fica nessa área também.
  • Aproveite para entrar no Chicago Cultural Center, pode entrar de graça para ver as rotundas maravilhosas projetadas pelo Tifanny, o fundador da joalheria.
  • Observe as esculturas de rua do Picasso e Miró, os edifícios institucionais de Chicago todos projetados pelo Mies Van Der Rohe, na praça do prédio do correio fica o Miró, uma quadra para trás do correio fica o Rookery Building que teve projeto de reforma de Frank Lloyd Wright e onde fica o Trust. Aqui é tudo muito perto, então fazendo um bom zigzag por essas quadras você conseguirá ver todas essas obras.
  • Entre na loja Macy’s que fica no histórico Marshall Field and Company Building.
  • Ande de metrô no Loop, é bobinho mas divertido. O Loop é o quadrado formado pelos trilhos do metro suspenso, que aparece em todos os filmes.

Chicago, onde se hospedar

  • The Langham Hotel, é super bem localizado, perto das principais atrações e museus, às margens do Chicago River. O hotel é lindíssimo, quartos espaçosos e café da manhã delicioso. O bar á noite também é ótimo para um drink antes ou após o jantar. Vale pelo menos entrar para conhecer o looby e bar. O edifício é projeto do Mies van Der Rohe e foi reformado pelo neto dele para ser transformado em hotel. O serviço de concierge foi incrível e conseguiu reservar todos os restaurantes que pedi e estavam super lotados.

 

Ainda faltou muita coisa pra fazer, mas isso é um bom apanhado geral.

E como última dica aproveite para fazer compras em Chicago, as lojas são bem mais vazias do que em NYC e sempre tem a grade completa de modelos e tamanhos além de promoções.

 

Chicago, onde comer, visitar e se hospedar. Chicago, onde comer, visitar e se hospedar. Chicago, onde comer, visitar e se hospedar. Chicago, onde comer, visitar e se hospedar. Chicago, onde comer, visitar e se hospedar.

Chicago, onde comer, visitar e se hospedar

Follow:

Aproveitei minha escala em Dubai na volta das Maldivas para conhecer o novíssimo Louvre Abu Dhabi, estava super curiosa para conhecer esse projeto do arquiteto francês Jean Nouvel. Nouvel é autor da intervenção do Museu Reina Sofia em Madrid, Instituto do Mundo Árabe em Paris, Fundação Cartier em Paris e o novo Le Bains de Docks entre outros inúmeros projetos pelo mundo.

O museu é uma parceria de 30 anos firmada entre os Emirados Árabes e França. Durante esse período acontecerá um intercâmbio de obras de arte entre os países.

A construção durou 10 anos e o projeto criou uma ilha artificial onde estão os diversos prédios do museu, auditório, museu infantil, galerias e oficinas são alguns deles. Tudo isso circundado pela água do Golfo Pérsico e protegido pela incrível cúpula que filtra a luz natural e cria diferentes sombras nos pátios internos.

O emirado de Abu Dhabi pretende se tornar um polo de arte e cultura no Oriente Médio e a construção do museu é só uma etapa desse projeto ambicioso. Por enquanto o acervo próprio é bem pequeno, a maioria das obras expostas são empréstimos de outros museus do mundo.

Louvre Abu Dhabi

 

Dicas práticas para organizar a visita:

  • A compra de ingressos pode ser feita diretamente no site do museu. Compre com antecedência para evitar filas. Louvre Abu Dhabi
  • A viagem à partir de Dubai dura aproximadamente 1:30 hora. E é bem tranquila, estrada ótima.
  • Reserve pelo menos 2 horas para conhecer o museu.
  • Reserve um dia inteiro de passeio por Abu Dhabi com motorista privativo, diversas empresas prestam esse serviço em Dubai.

Combine sua vista ao Louvre com:

  • Visita à Sheikh Zayed Gran Mosque (Grande Mesquita), a maior e mais importante mesquita de Abu Dhabi. Leia esse post da Mayte sobre a mesquita, está incrível.

    MESQUITA AL ZAYED EM ABU-DHABI – UM SONHO QUE VOCÊ TAMBÉM TEM QUE VIVER!

  • Ferrari World, parque temático e museu para os aficcionados em automobilismo. Com a montanha russa mais rápida do mundo.
  • Yas Mall, shopping center no mesmo complexo que o Ferrari World, boa opção para almoçar e fazer algumas compras, o shopping é bem completo e muito mais vazio e agradável do que os shoppings de Dubai. Tem até churrascaria brasileira para quem estiver na fissura.

Follow:

Museus em Milão, pedi para minha amiga Mariana Marchioni que mora na cidade uma ajuda para esse post. O que ela me enviou ficou tão sensacional que publico aqui na íntegra.

Milão, cidade da arte.

Muitas vezes a gente escuta que Milão se conhece em um dia e meio… Eu até entendo que a Itália tem tantas atrações que os roteiros acabam espremidos, mas pode ter certeza que se tiver mais tempo para dedicar a Milão, terá muito o que fazer! Como capital financeira e da moda na Itália não faltam atrações, principalmente ligadas a atividades culturais.

Para quem tem 1 dia e meio em Milão eu recomendo como primeira opção a Última ceia de Leonardo da Vinci, a visita dura 15 minutos e não tem preço ver ao vivo uma obra como esta. Pode reservar no Viva Ticket ou comprar em agência de turismo (custa mais caro). Depois vem a Pinacoteca di Brera, é aquele museu que a gente espera de uma visita a Itália. Cheio de obras clássicas com destaque para a obra Il Bacio de Francesco Hayez. Ainda nesse tom tem a Pinacoteca Ambrosiana, vale a pena pela arquitetura linda e a sala dedicada a manuscritos do Leonardo da Vinci.

Última ceia de Leonardo da VinciÚltima ceia de Leonardo da Vinci – foto: Milão nas Mãos
pinacoteca de brera milãoPinacoteca de Brera – foto: Milão nas Mãos

Na praça do Duomo tem o Museo del 900 reunindo obras italianas do Século XX. Eu adoro esse museu, me lembra um mini MoMa (NY)! Até 15 de Maio 2017 está rolando uma mostra com a visão de Andy Warhol sobre a Última ceia, programão para depois de ter visto a original. Grudado no 900 tem o Palazzo Reale, um espaço para mostras temporárias, sempre com algo muito legal em exposição. Agora, por exemplo, tem Keith Haring, Charlotte Salomon (artista alemã), Os Santos da Itália, uma mostra sobre jóias italianas patrocinado pela joalheria Damiani e a mais esperada da temporada, a mostra Manet em colaboração com o Museu D’Orsay (Paris).

museus em milão museo del 900Museo del 900 – foto: Milão nas Mãos

Saindo do centrinho um outro espaço para mostras temporárias que tem sempre algo legal é o MUDEC (Museo delle Culture), que agora tem Kandinsky e uma mostra de dinossauros que faz a alegria das crianças. Ainda para eles (mas eu adoro) tem o museu da ciência de Leonardo da Vinci, com uma parte legal de trens e barcos antigos. Especifico para crianças tem o MUBA (Museo dei Bambini Milano) eu visitei a atividade proibido não tocar e foi uma diversão para meu filho de dois anos! Nesse museu vale a pena verificar a programação porque depende da idade e tem horários pré-estabelecidos.

Se você gosta de moda não pode deixar de ir na Fondazione Prada, com mostras permanentes e temporárias. No Armani Silos, para ver a história da marca do estilista que nasceu próximo de Milão. Também vale a pena passar na 10 Corso Como, concept store idealizada pela irmã da Franca Sozzani, Carla Sozzani. Que tem um espaço para exposições no último andar.

10 corso como10 Corso Como – foto: Milão nas Mãos

Para os amantes do design tem a Triennale di Milano, com uma mostra de design infantil, a visão de designer italianos para o cálice sagrado e o design em Hong Kong. Para arquitetura e arte vale visitar a lindíssima Villa Nechi Campiglio, que foi cenário do filme Io sono l’amore com a atriz Tilda Swinton. E para ver arte moderna e contemporânea tem o Hangar Bicocca, fica fora do centro mas facilmente acessível de metro. Quem for ainda este mês vai ver uma intervenção dos nossos brasileiríssimos Osgêmeos!

villa necchi campiglioVilla Necchi Campiglio – foto: Milão nas Mãos
pirelli hangar bicoccaPirelli Hangar Bicocca – foto: Mariana Marchioni 
pirelli hangar bicoccaPirelli Hangar Bicocca – obra incrível Osgemêos- foto: Mariana Marchioni 

E eu paro por aqui mas garanto que ainda tem coisa que não citei e que mesmo morando na cidade, admito que não consegui visitar ainda… Ou seja, quem puder ficar em Milão mais tempo sem dúvida não vai ter problemas para achar programação.

Bônus Track

Entrem em contato com a minha amiga Magê Santos do blog Milão nas Mãos. Ela pode te acompanhar em passeios guiados e exclusivos por Milão e arredores, como o Lago de Como e a região de Franciacorta entre outros.

Para a programação completa dos museus em Milão, endereços e outras informações:

Pinacoteca di Brera http://pinacotecabrera.org/

Pinacoteca Ambrosiana http://www.ambrosiana.eu/cms/

Museo del Novecento http://www.museodelnovecento.org/it/

Palazzo Reale http://www.palazzorealemilano.it/wps/portal/luogo/palazzoreale

MUDEC http://www.mudec.it/ita/

Museo della Scienza Leonardo da Vinci http://www.museoscienza.org/

MUBA http://www.muba.it/

Fondazione Prada http://www.fondazioneprada.org/

Armani Silos https://www.armanisilos.com/it_IT

10 Corso Como http://www.10corsocomo.com/

Triennale http://www.triennale.org/

Villa Necchi Campiglio http://www.visitfai.it/villanecchi/

Pirelli Hangar Bicocca http://www.hangarbicocca.org/

Follow:

No nosso segundo dia de passeios em Sevilla deixei as visitas mais rápidas e bastante tempo para caminhar pelas ruas de diferentes bairros.

Plaza de España

Começamos o dia visitando a Plaza de España e o enorme edifício semi-circular construído por ocasião da Exposição Ibero-Americana de 1929. Infelizmente o canal estava em trabalhos de limpeza e os barquinhos de passeio fora de serviço.

Hoje no edificio funcionam departamentos do governo. Em sua fachada estão representadas todas as províncias espanholas. As 4 pontes que atravessam o canal simbolizam os 4 antigos reinos que deram origem ao que hoje é a Espanha. Não deixem de passear pelo lindo parque Maria Luiza onde a praça está situada.

Para os fãs de cinema a praça foi locação de Laurence da Arábia e Star Wars!

Arquivo das Índias

O prédio em estilo renascentista é tombado pelo patrimônio histórico da UNESCO teve sua construção iniciada em 1572 e finalizada em 1646. Inicialmente a Casa Lonja de Mercadeiros era o ponto principal das transações comercias da Espanha com o novo continente, a bolsa de valores da época. Só em 1785 o Arquivo Geral das Índias passa a ocupar o edifício. Abrigando toda a documentação histórica sobre a Espanha e suas colônias. Tesouros como o Tratado de Tordesilhas e o Diário de Cristovão Colombo são só uma pequena amostra da importância desse arquivo.

A entrada é gratuita e a visita passa pelas salas mais bonitas do edifício, foi uma visita emocionante. Vi documentos que relacionavam palavras indígenas brasileiras ao correspondente espanhol, a reprodução do Tratado e vários outros documentos. Pensar que aquilo tudo faz parte da nossa história é incrível.

Todo o arquivo pode ser consultado digitalmente e os originais ficam protegidos da ação do tempo.  E passam constantemente por processos de restauração e preservação.

Mercado Lonja del Barranco

Após visitar o Arquivo fomos caminhando até o Mercado Lonja del Barranco que fica na Ponte Isabel II por onde atravessamos para o bairro de Triana.

Aqui nesse post Restaurantes em Sevilla – 5 ótimas opções falo em detalhes sobre o mercado.

mercado lonja del barranco sevilla

Bairro Triana

Após o almoço passeamos pelo bairro boêmio de Sevilla. A Calle San Jacinto é cheia de cafés, restaurante e lojas, bem gostoso passear por ali. Já na Calle Bettis às margens do canal é uma ótima opção para curtir tapas e drinks no fim do dia. O visual de Sevilla vista desse ponto é lindo.

passeios em sevilla bairro triana

Plaza del Toros e arredores

Depois de Triana seguimos para a Plaza del Toros, apenas passeamos por fora e só conhecemos o hall de entrada. Não concordo com o “esporte” portanto não paguei para entrar num recinto que por séculos foi palco de maus tratos animais.

Já as ruelas ao redor da Plaza são bem interessantes, muitos galpões e depósitos foram transformados em lojas charmosas e escritórios. Pra quem gosta de explorar é um prato cheio.

plaza del toros sevilla

Setas de Sevilla

Depois da Plaza seguimos para o Setas de Sevilla também conhecido como Metropol Parassol. A maior estrutura de madeira do mundo. Ele em si impressiona mais nas fotos do que pessoalmente. Mas o passeio valeu porque andamos por ruas menos turísticas e pudemos sentir mais o clima da cidade.

No subsolo do Setas existe uma escavação onde foram descobertas ruínas romanas. E construções islâmicas, o espaço está bem bonito e vale visitar.

Passeios em Sevilla é o que não faltam, esse foi um bom roteiro para ter um apanhado geral da cidade. Voltarei certamente e numa estação mais quente para aproveitar bem as tapas e tragos.

 

 

Follow: