Museus em Milão, pedi para minha amiga Mariana Marchioni que mora na cidade uma ajuda para esse post. O que ela me enviou ficou tão sensacional que publico aqui na íntegra.

Milão, cidade da arte.

Muitas vezes a gente escuta que Milão se conhece em um dia e meio… Eu até entendo que a Itália tem tantas atrações que os roteiros acabam espremidos, mas pode ter certeza que se tiver mais tempo para dedicar a Milão, terá muito o que fazer! Como capital financeira e da moda na Itália não faltam atrações, principalmente ligadas a atividades culturais.

Para quem tem 1 dia e meio em Milão eu recomendo como primeira opção a Última ceia de Leonardo da Vinci, a visita dura 15 minutos e não tem preço ver ao vivo uma obra como esta. Pode reservar no Viva Ticket ou comprar em agência de turismo (custa mais caro). Depois vem a Pinacoteca di Brera, é aquele museu que a gente espera de uma visita a Itália. Cheio de obras clássicas com destaque para a obra Il Bacio de Francesco Hayez. Ainda nesse tom tem a Pinacoteca Ambrosiana, vale a pena pela arquitetura linda e a sala dedicada a manuscritos do Leonardo da Vinci.

Última ceia de Leonardo da VinciÚltima ceia de Leonardo da Vinci – foto: Milão nas Mãos
pinacoteca de brera milãoPinacoteca de Brera – foto: Milão nas Mãos

Na praça do Duomo tem o Museo del 900 reunindo obras italianas do Século XX. Eu adoro esse museu, me lembra um mini MoMa (NY)! Até 15 de Maio 2017 está rolando uma mostra com a visão de Andy Warhol sobre a Última ceia, programão para depois de ter visto a original. Grudado no 900 tem o Palazzo Reale, um espaço para mostras temporárias, sempre com algo muito legal em exposição. Agora, por exemplo, tem Keith Haring, Charlotte Salomon (artista alemã), Os Santos da Itália, uma mostra sobre jóias italianas patrocinado pela joalheria Damiani e a mais esperada da temporada, a mostra Manet em colaboração com o Museu D’Orsay (Paris).

museus em milão museo del 900Museo del 900 – foto: Milão nas Mãos

Saindo do centrinho um outro espaço para mostras temporárias que tem sempre algo legal é o MUDEC (Museo delle Culture), que agora tem Kandinsky e uma mostra de dinossauros que faz a alegria das crianças. Ainda para eles (mas eu adoro) tem o museu da ciência de Leonardo da Vinci, com uma parte legal de trens e barcos antigos. Especifico para crianças tem o MUBA (Museo dei Bambini Milano) eu visitei a atividade proibido não tocar e foi uma diversão para meu filho de dois anos! Nesse museu vale a pena verificar a programação porque depende da idade e tem horários pré-estabelecidos.

Se você gosta de moda não pode deixar de ir na Fondazione Prada, com mostras permanentes e temporárias. No Armani Silos, para ver a história da marca do estilista que nasceu próximo de Milão. Também vale a pena passar na 10 Corso Como, concept store idealizada pela irmã da Franca Sozzani, Carla Sozzani. Que tem um espaço para exposições no último andar.

10 corso como10 Corso Como – foto: Milão nas Mãos

Para os amantes do design tem a Triennale di Milano, com uma mostra de design infantil, a visão de designer italianos para o cálice sagrado e o design em Hong Kong. Para arquitetura e arte vale visitar a lindíssima Villa Nechi Campiglio, que foi cenário do filme Io sono l’amore com a atriz Tilda Swinton. E para ver arte moderna e contemporânea tem o Hangar Bicocca, fica fora do centro mas facilmente acessível de metro. Quem for ainda este mês vai ver uma intervenção dos nossos brasileiríssimos Osgêmeos!

villa necchi campiglioVilla Necchi Campiglio – foto: Milão nas Mãos
pirelli hangar bicoccaPirelli Hangar Bicocca – foto: Mariana Marchioni 
pirelli hangar bicoccaPirelli Hangar Bicocca – obra incrível Osgemêos- foto: Mariana Marchioni 

E eu paro por aqui mas garanto que ainda tem coisa que não citei e que mesmo morando na cidade, admito que não consegui visitar ainda… Ou seja, quem puder ficar em Milão mais tempo sem dúvida não vai ter problemas para achar programação.

Bônus Track

Entrem em contato com a minha amiga Magê Santos do blog Milão nas Mãos. Ela pode te acompanhar em passeios guiados e exclusivos por Milão e arredores, como o Lago de Como e a região de Franciacorta entre outros.

Para a programação completa dos museus em Milão, endereços e outras informações:

Pinacoteca di Brera http://pinacotecabrera.org/

Pinacoteca Ambrosiana http://www.ambrosiana.eu/cms/

Museo del Novecento http://www.museodelnovecento.org/it/

Palazzo Reale http://www.palazzorealemilano.it/wps/portal/luogo/palazzoreale

MUDEC http://www.mudec.it/ita/

Museo della Scienza Leonardo da Vinci http://www.museoscienza.org/

MUBA http://www.muba.it/

Fondazione Prada http://www.fondazioneprada.org/

Armani Silos https://www.armanisilos.com/it_IT

10 Corso Como http://www.10corsocomo.com/

Triennale http://www.triennale.org/

Villa Necchi Campiglio http://www.visitfai.it/villanecchi/

Pirelli Hangar Bicocca http://www.hangarbicocca.org/

Follow:

No nosso segundo dia de passeios em Sevilla deixei as visitas mais rápidas e bastante tempo para caminhar pelas ruas de diferentes bairros.

Plaza de España

Começamos o dia visitando a Plaza de España e o enorme edifício semi-circular construído por ocasião da Exposição Ibero-Americana de 1929. Infelizmente o canal estava em trabalhos de limpeza e os barquinhos de passeio fora de serviço.

Hoje no edificio funcionam departamentos do governo. Em sua fachada estão representadas todas as províncias espanholas. As 4 pontes que atravessam o canal simbolizam os 4 antigos reinos que deram origem ao que hoje é a Espanha. Não deixem de passear pelo lindo parque Maria Luiza onde a praça está situada.

Para os fãs de cinema a praça foi locação de Laurence da Arábia e Star Wars!

Arquivo das Índias

O prédio em estilo renascentista é tombado pelo patrimônio histórico da UNESCO teve sua construção iniciada em 1572 e finalizada em 1646. Inicialmente a Casa Lonja de Mercadeiros era o ponto principal das transações comercias da Espanha com o novo continente, a bolsa de valores da época. Só em 1785 o Arquivo Geral das Índias passa a ocupar o edifício. Abrigando toda a documentação histórica sobre a Espanha e suas colônias. Tesouros como o Tratado de Tordesilhas e o Diário de Cristovão Colombo são só uma pequena amostra da importância desse arquivo.

A entrada é gratuita e a visita passa pelas salas mais bonitas do edifício, foi uma visita emocionante. Vi documentos que relacionavam palavras indígenas brasileiras ao correspondente espanhol, a reprodução do Tratado e vários outros documentos. Pensar que aquilo tudo faz parte da nossa história é incrível.

Todo o arquivo pode ser consultado digitalmente e os originais ficam protegidos da ação do tempo.  E passam constantemente por processos de restauração e preservação.

Mercado Lonja del Barranco

Após visitar o Arquivo fomos caminhando até o Mercado Lonja del Barranco que fica na Ponte Isabel II por onde atravessamos para o bairro de Triana.

Aqui nesse post Restaurantes em Sevilla – 5 ótimas opções falo em detalhes sobre o mercado.

mercado lonja del barranco sevilla

Bairro Triana

Após o almoço passeamos pelo bairro boêmio de Sevilla. A Calle San Jacinto é cheia de cafés, restaurante e lojas, bem gostoso passear por ali. Já na Calle Bettis às margens do canal é uma ótima opção para curtir tapas e drinks no fim do dia. O visual de Sevilla vista desse ponto é lindo.

passeios em sevilla bairro triana

Plaza del Toros e arredores

Depois de Triana seguimos para a Plaza del Toros, apenas passeamos por fora e só conhecemos o hall de entrada. Não concordo com o “esporte” portanto não paguei para entrar num recinto que por séculos foi palco de maus tratos animais.

Já as ruelas ao redor da Plaza são bem interessantes, muitos galpões e depósitos foram transformados em lojas charmosas e escritórios. Pra quem gosta de explorar é um prato cheio.

plaza del toros sevilla

Setas de Sevilla

Depois da Plaza seguimos para o Setas de Sevilla também conhecido como Metropol Parassol. A maior estrutura de madeira do mundo. Ele em si impressiona mais nas fotos do que pessoalmente. Mas o passeio valeu porque andamos por ruas menos turísticas e pudemos sentir mais o clima da cidade.

No subsolo do Setas existe uma escavação onde foram descobertas ruínas romanas. E construções islâmicas, o espaço está bem bonito e vale visitar.

Passeios em Sevilla é o que não faltam, esse foi um bom roteiro para ter um apanhado geral da cidade. Voltarei certamente e numa estação mais quente para aproveitar bem as tapas e tragos.

 

 

Follow:

– INSIDERS – trás a cada semana um convidado diferente, mostrando o lado pouco conhecido das cidades onde vivem ou visitam.-

O Banco de Materiais do Porto é um lugar precioso que poucas pessoas sabem da sua exitência e da sua importância. Nem mesmo os locais. Funciona como se fosse um museu ou uma biblioteca de azulejos. Tem alguns tesouros ali guardados, mas que podem ser utilizados pelos cidadãos.

A função deste Banco de Materiais é a seguinte: os técnicos da prefeitura da cidade, fiscalizam edifícios em estado de degradação ou vazios, e recuperam os azulejos das fachadas, a fim de preservar o patrimônio da cidade.

Estes azulejos ficam expostos no Banco de Materiais do Porto para quem quiser apreciar. Os turistas são os principais visitantes do local e tem o privilégio de encontrar exemplares belíssimos feitos inclusive de maneira bastante artesanal.

banco de materiais do porto

A grande maioria fica armazenada como se fossem livros numa biblioteca. Onde o primeiro exemplar está exposto e os demais estão guardados numa grande gaveta…

banco de materiais do porto

Eu sou uma fã incondicional dos azulejos portugueses e depois que descobri a existência desse Banco de Materiais, nunca perco a oportunidade de sempre dar uma passadinha por lá para dar uma olhada. Porque existem inúmeros exemplares para serem apreciados.

banco de materiais do porto

Se algum dono de algum edifício que utiliza azulejos semelhantes aos que estão ali guardados e comprovar que precisa deles para restaurar a sua fachada pode levá-los sem nenhum custo.

Isto é um serviço de preservação de patrimônio, que a prefeitura do Porto presta à cidade que tem um verdadeiro orgulho pelas suas fachadas de azulejos.

Mas não são só eles que estão guardados no Banco de Materiais. Muitos exemplos de grades de ferro forjado das varandas e estuques lindíssimos estão ali expostos.

banco de materiais do porto

Quem ganha é a cidade e os turistas que podem conhecer o Banco de Materiais e o seu fantástico acervo. Um autêntico museu de azulejos.

Informações

E o melhor: a entrada é gratuíta.

Abre de 2ª à 6ª das 10 às 12 h e das 14:30 às 17:30 h

Fica na Praça Carlos Alberto, 71 no centro do Porto

Foi a descoberta do Banco de Materiais do Porto e a minha paixão por azulejos que me inspiraram para criar o passeio cultural que faço pela cidade que se chama Passear e “azulejar”.

Nele, em parceria com uma ceramista, fazemos uma passeio pela cidade com turistas brasileiros, mostrando alguns dos exemplares dos paineis de azulejos do Porto e logo a seguir, um workshop, onde o participante aprende a pintar o seu próprio azulejo para levar de recordação na bagagem.

Conheça mais sobre o Passear e “azulejar”: AQUI

Rita Branco

Sou paulista, filha de portugueses e moro na cidade do Porto há 11 anos. Adoro esta cidade e adoro viajar. Além do O Porto encanta, faço roteiros personalizados de viagens para o Porto, região Norte e/ou Portugal. Além de acompanhar turistas brasileiros, leitores do meu blog por passeios culturais pelo Porto. São os Passeios com Sotaque Brasileiro.

Podem acompanhar o blog pelas nossas redes sociais Instagram: @oportoencanta, Facebook: O Porto Encanta e Snapchat: oportoencanta

Follow:

Vocês já sabem da minha paixão por museus casas não? O Museo Nacional de Arte Decorativo de Buenos Aires foi uma grata surpresa. Consegui visita-lo durante minha viagem relâmpago da semana passada.

O museu abre diariamente às 14:00, as entradas custam 20 pesos (achei muito barato), fiz um tour guiado gratuito com duração de 30 minutos. Muito bom para quem quiser saber um pouco mais sobre a família e a construção.

O museu é a antiga residência da família de Josefina de Alvear e seu marido Matías Errázuriz Ortúzar. O palacete situado na Avenida del Libertador foi construído entre os anos de 1906 e 1916 durante o período que a família morou em Paris em missão diplomática.

A construção caracteriza um típico hôtel particulier, palacetes urbanos de uso familiar comumente construídos por nobres e famílias da alta burguesia parisiense. A família Alvear Errázuriz trouxe da França e Italia todos os materiais usados na construção. Mármores raros, madeiras, metais, elevadores, modernos sistemas de aquecimento e aspiração central dos ambientes, além de todos artesãos, arquitetos, paisagistas e decoradores europeus para a construção.

Tapeçarias Gobelins, esculturas de Rodin, pinturas de Manet, El Greco são só um pequeno exemplo do que esse palacete guarda. O Gran Hall foi inspirado nos salões da Inglaterra do século XVI da dinastia Tudor. Os salões destinados às recepções foram decorados em diversos estilos franceses dos séculos  XVII e XVIII, o mobiliário todo trazido da Europa.

A visita só não foi melhor porque alguns ambientes do palacete estão fechados por falta de verba para conservação e contratação de funcionários. O museu é administrado pelo governo argentino.

Bonus Track:

Almoce ou faça uma pausa para um café com doce no gracioso Croque Madame instalado no jardim do museu. O ambiente é um encanto e a comida bem gostosa. Saladas, sanduíches diversos, massas e vinhos estão no cardápio. As mesas externas são uma delícia e a trilha sonora ótima! Por mim teria ficado ali a tarde inteira de bobeira.

E aqui o snapchat da visita. Ahhh não se esqueçam de se inscrever no canal 😉

Follow:

– Iniciando a nova seção do blog – INSIDERS – trará a cada semana um convidado diferente, mostrando o lado pouco conhecido das cidades onde vivem ou visitam. –

Guildhall Art Gallery

por Helô Righetto.

Nem todo mundo sabe – nem mesmo os londrinos! – que a região da City of London (a Londres “original”, com as contruções e vielas mais antigas, que hoje em dia é o centro financeiro da cidade) tem o seu próprio prefeito, conhecido como Lord Mayor. Então nada mais justo do que a City ter também seu próprio acervo de obras de arte e, consequentemente, seu próprio museu para exibir esse acervo!

Como Londres tem museus grandiosos e super famosos, lugares menores como a Guildhall Art Gallery acabam ficando em segundo plano e não entram no roteiro de quem visita a cidade pela primeira vez ou por poucos dias. Mas eu recomendo fortemente uma visita a essa jóia da City, já que a entrada é gratuita, o museu é pequeno e está geralmente vazio (ou seja, você não precisa disputar espaço com os outros visitantes em frentes as obras e em determinados momentos vai sentir que tem todo o lugar aberto só pra você!).

guidhall art gallery

guidhall art gallery

guidhall art gallery

Guidhall Art Gallery

A coleção da Guildhall Art Gallery tem obras que datam do século 17, porém o destaque fica para as obras da Era Vitoriana (segunda metade do século 18): Pré Rafaelismo, Orientalismo e Classicismo por exemplo. Há também uma seção dedicada a obras que tem Londres como pano de fundo, além das ruínas de um anfiteatro romano no subsolo.

Sempre que estou na City tento dar um pulo da Guildhall Art Gallery, nem que seja por alguns minutos. Adoro me sentar em um dos bancos de madeira do hall principal em silêncio, e sempre reparo em algum detalhe de algum dos quadros que tinha passado desapercebido nas tantas outras vezes que estive lá. Há sempre algo “novo” para absorver!

Informações

  • Endereço: Guildhall Yard, EC2V 5AE
  • Abre de segunda a sábado das 10 às 17h e domingo das 12 às 16h
  • Entrada gratuita
  • Guildhall Art Gallery

 

Heloisa Righetto

Eu moro em Londres desde 2008 e desde então escrevo sobre a cidade e minhas viagens por aí no Aprendiz de Viajante. Em 2015 publiquei o Guia de Londres Para Iniciantes e Iniciados. Você também pode acompanhar meu dia a dia no meu blog pessoal (helorighetto.com) e redes sociais: @helorighetto (Instagram e Twitter) e helorighetto (snapchat)

Follow: